noticia
20/01/2018 - 05:24
Tamanho da Fonte
 
 
Taques exonera PMs presos em esquema de grampos da Casa Militar e efetiva Sodré na pasta

Foto: Gcom

Taques exonera PMs presos em esquema de grampos da Casa Militar e efetiva Sodré na pasta
O governador Pedro Taques (PSDB) resolveu exonerar o secretário da Casa Militar, coronel PM Evandro Alexandre Ferraz Lesco, seu adjunto, coronel PM Ronelson Jorge Barros, e o cabo da PM Gerson Luiz Ferreira Correa Júnior, que também atuava na mesma pasta. Os três estão presos desde o dia 23 de junho, acusados de participação no suposto esquema de grampos operado em Mato Grosso. A ‘demissão’ foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE), que circula nesta quarta-feira (26). O coronel Wesley de Castro Sodré foi efetivado no comando da pasta.

Leia mais:
Taques deve decidir hoje se exonera ou não secretários presos em esquemas de grampos

Anteriormente a esta ação, o governador havia apenas afastado dois dos oficiais, sem direito a remuneração, até que as investigações fossem concluídas. No dia 17 de julho, o Ministério Público Estadual ofereceu denúncia contra os PMs acusados de realizar as interceptações de forma ilegal. Foram eles Zaqueu Barbosa, Evandro Lesco, Ronelson Barros, Januário Batista e Gerson Correa Junior.
 
À época das prisões, Taques havia determinado somente o afastamento provisório de seus secretários. “Ação penal não significa condenação, eles [Lesco e Barros] vão ter direito à ampla defesa. Eles foram denunciados, eu tive conhecimento da denúncia ontem, vamos tomar essa decisão hoje [sobre exonerá-los]”, disse o governador, durante o lançamento do programa Arena+.
 
Taques voltou a defender que os coronéis não sejam prejulgados e reafirmou que não coordenou e que não tinha sequer conhecimento de nenhum dos esquemas de grampos ilegais praticados no Estado. 
 
“Eu já prendi um promotor de Justiça que foi denunciado e depois ele foi absolvido. Eu não posso prejulgar antes da condenação. Eu não mandei fazer, não pedi para ninguém fazer. E tem que ser investigado”, afirmou.
 
Desde a confirmação dos mandados de prisão em face dos secretários, expedidos pelo desembargador Orlando de Almeida Perri, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, o coronel Wesley de Castro Sodré, então Comandante Regional do CR 7 (Tangará da Serra e região) respondia interinamente pela Chefia da Casa Militar. Agora, ele foi efetivado no cargo. O ato também foi publicado no DOE, que circula nesta quarta-feira.

Entenda o caso
 
Reportagem do programa "Fantástico", da Rede Globo, revelou na noite de 14 de maio que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crimes.

A matéria destacou como vítimas a deputada estadual Janaína Riva (PMDB), o advogado José do Patrocínio e o jornalista José Marcondes, conhecido como Muvuca. Eles são apenas alguns dos “monitorados”.

O esquema de “arapongagem” já havia vazado na imprensa local após o início da apuração de Fantástico. Neste domingo, o programa dominical voltou a dar destaque para o assunto.

Fonte: http://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?id=436612¬icia

     

 
» Últimas Notícias
06/01/2018 - Funcionário da Energisa é vítima de cárcere privado ao entrar em residência para cortar energia - De acordo com informações do boletim de ocorrências, por volta das 16h45 desta quinta-feira, uma equipe da PM foi acionada para atender um caso de cárcere privado.
06/01/2018 - Bombeiros procuram por homem que se jogou no Rio Vermelho após colidir veículo - De acordo com o 3° Batalhão do Corpo de Bombeiros, por volta das 05h30 deste sábado o motorista de um Fiat Uno teria feito uma ultrapassagem na ponte sobre o Rio Vermelho
06/01/2018 - Acusado de mandar matar personal continua foragido e delegada pede prorrogação de inquérito - “Nós estamos pedindo a prorrogação do prazo ao Judiciário. Continuamos trabalhando e espero terminar logo este caso.
06/01/2018 - Associação dos defensores vai ao Supremo pedir que Taques pague duodécimo atrasado - Os recursos correspondem às dotações orçamentárias da Defensoria Pública de Mato Grosso. O procedimento no Supremo, distribuído à ministra Rosa Weber