noticia
27/05/2018 - 14:47
Tamanho da Fonte
 
 
O vereador Macrean Santos (PRTB), que passou a madrugada deste sábado (17) entre a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Morada do Ouro

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Vereador denuncia abuso da Polícia Militar e diz que filho foi agredido por ser morador do Pedregal
O vereador Macrean Santos (PRTB), que passou a madrugada deste sábado (17) entre a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Morada do Ouro e a 2ª Delegacia de Polícia do Carumbé afirmou ao Olhar Direto que seu filho foi vítima de abuso de autoridade e agredido por policiais militares. O jovem de 23 anos que cursa o 6° semestre de direito foi detido pela PM e passou mal na delegacia na noite de ontem.

Leia também 
Casal fica preso às ferragens após colisão com caminhão em rodovia federal


Segundo Macrean, o seu filho Macswell dos Santos Silva e seu sobrinho foram à seu pedido entregar uma documentação no bairro Campo Verde e acabaram sendo abordados de forma truculenta por uma equipe da PM. O vereador ainda declarou que um dos militares agrediu o estudante por ele ser morador do Pedregal.

“O que aconteceu foi um abuso de autoridade comandado por um sargento. Eu pedi para o meu filho ir levar um documento para o presidente do bairro Campo Verde e ele chegando lá com o meu sobrinho, uma guarnição do 3° Batalhão comandada pelo Sargento Divino pediu para ele descer do carro. Os PMs com uma doze e pistolas perguntaram onde ele morava e quando ele disse que morava no Pedregal, o sargento deu um tapa na cara dele e o acusou de estar indo comprar droga”, disse.

O parlamentar disse ter ficado sabendo do ocorrido por um funcionário da UPA da Morada do Ouro que ligou para ele dizendo que o seu filho havia dado entrada acompanhado de uma guarnição da Polícia Militar.

“O pessoal da UPA me ligou dizendo que meu filho estava lá. Eu cheguei em seguida e vi meu filho agonizando. Mesmo assim o sargento pediu para levar ele para o Cisc novamente. Eu fiz o que ele mandou, mas o menino passou mal denovo e precisou retornar à UPA. Eu tive que ligar para os comandos da polícia para registrar o que aconteceu. Eu sai do Cisc 6h, fui para o IML fazer corpo de delito e chegamos em casa agora pela manha”, afirmou o vereador.

Questionado sobre a acusação dos militares de que o vereador tenha dado ‘carteirada’ ao dizer que ia ligar para o governador Pedro Taques (PSDB), Macrean negou ter tentado intimidar os policiais e disse ter agido como cidadão que estava protegendo seu filho.

“Eu não dei carteirada nenhuma até por que eu estava lá como pai e não como vereador. Eu vi meu filho agonizando em uma maca e achei que ia morrer. Qual o pai que vê o filho sendo agredido e não vai ligar para o comando do Batalhão. Isso que eu fiz e quem sou eu para intimidar alguém, eu nem tenho poder para isso. Só estava cuidando do meu filho”, explicou.

O vereador ainda relatou ter registrado um boletim de ocorrência e que na segunda-feira (19) irá até a Corregedoria da Polícia Militar para denunciar o caso. “Eu nunca passei um vexame, uma humilhação desta através de uma corporação. O sargento é despreparado. Registrei um boletim de ocorrência, fizemos um corpo de delito e segunda-feira vamos à corregedoria da Polícia Militar. Vou buscar todo os direitos que amparam meu filho”, finalizou.

A versão do boletim de ocorrências pode ser conferida AQUI.

Fonte: http://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?id=443150¬icia=vereador-denuncia-abuso-da-pm-e-diz-que-filho-foi-agredido-por-ser-morador-do-pedr

     

 
» Últimas Notícias
05/05/2018 - Frequentadores comemoram fim do mau cheiro no Parque das Águas e criticam órgãos públicos - Mais de cem servidores da Polícia Judiciária Civil participaram do evento "Circuito Qualidade de Vida", promovido pela Gerência de Atendumento, Desenvolvimento, Saúde e Segurança (GADSS), e parceiros na tarde de sexta-feira (04.05), no auditório da Diretoria Geral, em Cuiabá.